sábado, 17 de outubro de 2009

ENCONTRANDO O “X” DA QUESTÃO




Muitas vezes, o que causa um problema pode estar camuflado em algum canto da nossa história e por isso, em muitos casos, pode não ser encontrado tão facilmente. 
 Jailson Freire


Neste caso, o diagnóstico para uma questão antiga pode ser muito difícil, todavia não impossível.
Passamos muito tempo tentando entender tal questão e sempre que achamos estar perto da solução que poderia livrar a alma dos equívocos em que nos metemos, mais nos distanciamos do oásis existencial proposto pelo criador do existir. 

 O caso é tão sério que até que a chave seja encontrada para que a porta de saída
seja aberta e a partir daí uma nova e promissora vida abundante prometida a muito tempo, seja finalmente vivida, a angústia pode ocupar um lugar que jamais tenha sido dela. 

Muitos tropeços nas esquinas da vida são inevitáveis até que o âmago do problema seja atingido em cheio pelas palavras chave que são realmente capazes de sacudir o coração empedernido pela vida morta que envolve o corpo já inerte diante de tanta lama em que voluntariamente foi se afundando. 

Não. Jamais se acostumará com o cheiro desagradável de tal porcaria possuidora de um sabor tão agradável quanto nojento. Jamais deverá acomodar-se, ainda que, quanto mais tenha tentado sair desse charco mais pareça estar aprofundando-se em asquerosa experiência.  

A chave para a solução precisa ser encontrada. A procura deve ser incansável... O desejo de ver o sol precisa ser tão grande quanto qualquer sentinela sente durante uma noite fria e chuvosa.  

Não! Não descanse até que o “X” da questão seja encontrado. Não fique paralisado diante da próxima oportunidade de se libertar, ainda que o processo de limpeza exale inevitável mau cheiro. Foque no objetivo principal que é o de ficar limpo dessa lama incrustada na alma.  

O intrigante, é o fato de que não se deu conta de que por inúmeras vezes a chave para a resolução da questão pudesse estar bem ali, ao alcance dos olhos, mas jamais havia conseguido enxergar as palavras que daria sentido e direção para a súplica necessária e urgente. 

Como pode não ver isso antes? Eis a resposta! Eis o “X” da questão. Eis a chave perdida a tempo e no tempo! Eis a suplica necessária! Eis o pedido que não falha!

"Torna a dar-me a alegria da tua salvação..." Salmo 51:12 A

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

EXISTIR OU DESISTIR?



Jailson Freire

Fato é que só desiste quem existe pra desistir, mas isso, você há de convir...

O problema é que para chegar ao pondo de desistir, o sentimento de inexistência que invade o coração de alguém é algo tão imenso que podemos até comparar com um enorme buraco negro que suga para si tudo o que pode dá sentido a uma vida.

Buscar a verdade é buscar ser livre dessa mentirosa opção de morte, todavia, na busca da verdade, muitos acabaram por bater de frente com a mentira que os aprofundaram ainda mais numa realidade equivocada demais para ser vivida em paz.

Que a verdade liberta não é mais novidade. Por que então, preferimos viver nessa cadeia de solidão existencial que nos amarram a uma vida tão aquém do plano perfeito que nos fora oferecido? Se a verdade nos leva a um porto seguro, por que viver com o coração tão duro e pesado, se o mesmo nos leva para o fundo do ralo? Por que preferir estar em meio às tempestades de equívocos constantes se a tábua de salvação sempre esteve ao nosso alcance?
Por que não desistir dessa idéia de desistir de si mesmo e olhar fixamente para o que vem depois do "fim"? O autor da existência nunca desiste de nós, pois não comunga com a morte que aparentemente quer calar a nossa voz.

Como pode alguém vencedor do grande prêmio do existir querer por tão pouco desistir do sabor de estar vivo para acordar e dormir? Não pode desistir de dormir para sonhar... Não pode a sua voz calar; precisa continuar a cantar, ainda que aparentemente só você pareça estar... Precisa continuar dançando, pois a música da existência continua tocando.

Seja grato por estar aqui. Esteja contente por saber que é possível seguir. A caverna é lugar de morte; Saia daí!

Bom... Agora vou dormir... Obrigado Senhor por mais um dia do meu existir. Amém!

"Ora, Deus não é Deus de mortos, mas de vivos; porque para ele vivem todos." (Lucas 20 : 38)