sexta-feira, 30 de novembro de 2007

BEM QUE ELE DISSE...


Resultado de imagem para ansiedade                                         por Jailson Freire


Impressionante como se perde tempo com ela, como se deixa de viver minutos e horas preciosas por conta dela... Impressionante mesmo.

Ela vem quando algo novo, um fato, uma ocasião nos coloca virados para a parede, como se estivéssemos de castigo. Quando há uma pendência em nossas vidas. Quando a jeripoca pia. Quando a bolsa cai levando toda a esperança de lucro que até então parecia líquido e certo.

Quando as opções são nenhuma. Quando um exército de inimigos prontos a nos devorar se encontra atrás de nós, além de existir uma montanha de um lado e para variar, do outro lado também.
Quando em nossa frente, nada além de água... Muita água... Um mar de águas... E pior, vermelho como se fosse uma fotografia do que se tornaria fato em questão de minutos.

Ela é covarde... Ela nos agita, ela nos humilha e nos joga para baixo sem nos dá uma folga para respirar. Ela é tola, irracional e imbecil... E quando vem, parece querer ficar para sempre nos atormentando, ainda que isso nunca aconteça.

Mesmo que a causa de sua chegada tenha sido pequena e medíocre, ela costuma se fazer maior do que o motivo de sua própria existência.

Não devemos confiar nela. Não devemos acreditar nela e nem dá atenção demasiada pra essa que nos desconcentra e que nos tira do trilho do bem estar espiritual.

Lembre-se sempre: “Não andeis...” Ou: “Veja os passarinhos...”.

E o que não dizer disso: “Olhai os lírios do campo...”.

Bem que ele disse...
LUCAS 12:22 a 30

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

O APAGAR DAS LUZES


Resultado de imagem para luz apagada                                        por Jailson Freire

Um dia tudo começou. Um encontro... Um romance... Um galanteio... Um olhar diferente e algum tempo depois uma nova vida é gerada. Uma nova vida surge. Um novo milagre acontece.

Uma volta ao início para entender o fim. Uma volta ao começo para entender o meio. Uma volta ao inspiro para entender o suspiro.

Menino ou menina? Qual será o seu nome? Como será o seu rosto, seu jeito, seus cabelos? Como será seu caráter? Como sua história será escrita?

Como será seu futuro, sonhos, sua escolinha, seus amiguinhos, suas notas, suas alegrias pelo novo brinquedo e suas tristezas quando tiver que perdê-los?

Como serão suas angústias? Suas dúvidas? Que profissão? Que universidade, e seu ideal? Como será sua árvore de natal?

O tempo passa e percebe-se que tudo o que se fez na existência foi perguntar e perguntar. As respostas nem sempre são simples.

Ensina-me a contar os meus dias até que o dia derradeiro chegue. Até que o jogo termine. Até que o juiz apite.

Até que as flores murchem... Até que a luz seja apagada.

Até que cheguemos na eternidade e o reencontro esperado aconteça na sacada.

Salmos 90 : 12

AH...A VIDA... QUE VIDA?


    Resultado de imagem para várias vidas                               por Jailson Freire

Dá um trabalho danado manter as vidas que queremos ter... É exaustivo manter as várias faces precisamos simular. 

Por que tem que ser assim? Porque não somos nós mesmos em qualquer momento ou situação? Porque não viver apenas uma vida? Seria tão mais simples... 

Entretanto, todos nós sabemos que isso implicaria em tantos problemas que, a bem da verdade, tomaria muito mais tempo da vida que temos. Imagina ter que dizer o que pensamos o tempo todo... Imagina ter que agir como pensamos de fato... Não seria perigoso demais para a nossa vida?

Não é simples manter as várias faces que temos... Não é simples... É algo tão medonho quanto viver perigosamente, mas é a única forma que encontramos de fazer todos sorrirem quando nós mesmos estamos querendo é chorar.

Sorrir, quando o que se que se quer mesmo é lastimar. Chorar, quando o que se quer mesmo é sorrir. Falar mansamente quando o que se quer mesmo é gritar. Viver é mesmo complicado...

Bom... Mas o que importa mesmo é ser politicamente correto... Talvez... Mas será que isso agrada mesmo ao nosso criador?

Quer saber? Prefiro ter apenas uma vida, uma face... Ou seja, prefiro perder para ganhar. Talvez não aqui, mas quem sabe, por lá...

O DEUS QUE NÃO ME ESQUECE


por Jailson Freire

Tudo caminhando de vento em popa... As coisas parece estarem acontecendo do jeito que deveria acontecer... Isso é maravilhoso! Ter um Deus que tudo me dá. Ter um Deus que cuida de mim. Um Deus que se compadece de mim, mesmo que eu não mereça. Isso é demais! Divino! Maravilhoso!

Só que é geralmente é nesse ponto que tendemos a ser tão ingratos. Basta está tudo Ok e a gente liga o piloto automático da nossa ingratidão, e nos esquecemos de sermos gratos.

Pode até ser que quisessemos ser esquecidos de Deus quando tudo está indo bem em nossas vidas, até porque, para que Deus se temos tudo que desejamos? Para que Deus se temos um bom emprego. Uma bela esposa(so). Filhos corados e saudáveis. Para que Deus?

Para cobrar santidade? Para cobrar o que devemos fazer ou não? Para cobrar fidelidade? Para cobrar submissão? Para cobrar... Cobrar... Cobrar...

O fato é que o Deus que nos abençoa, também requer de nós; Um pai faria o mesmo. O Deus que nos abençoa também pretende se relacionar conosco; Um pai faria o mesmo. Um Deus que nos abençoa, quer ser nosso pai e isso sim é maravilho.

Ser abençoado é algo fantástico, todavia a melhor benção é saber que temos um Deus que nunca nos esquece. Mesmo quando somos abençoados e nos esquecemos dele.

Eu entendo esse Deus!

Faço o mesmo com meu filho.

POR QUE?


por Jailson Freire

Meus mais profundos sentimentos... Lamentável o que aconteceu... Venha... Chore vai... Pode chorar, vai te fazer bem... Vai passar... Essas coisas sempre passam. Sei que a dor é muito grande, mas vai passar...

Sei que é difícil, a final, a gente nunca espera que isso aconteça.

Ontem a essa hora estava tudo tão bem. É tão difícil imaginar como num momento as coisas estão de um jeito, num outro momento... Tudo acabado... Os sonhos... Os projetos e tudo o que se planejou.

Sei que os sentimentos nessas horas parecem um turbilhão. São tantos os “porquês”... Mas aos poucos a vida volta ao quase normal... É claro que nada será como antes, mas há de se superar este trauma na alma com ajuda imprescindível de um Deus que tudo sabe e que tudo ver.

Não... Não haverá palavras que possa curar a terrível ferida que foi aberta na alma, até porque, é nesse momento que, o que menos se quer é ouvir uma palavra... O que se quer é ficar quietinho remoendo e tentando juntar pedacinhos de sua própria alma... Ou derramar a alma no chão... Entregar os pontos? Talvez... Desistir de tudo até parece ser uma opção a ser levada em conta, mas é a única opção que merece desprezo.

Deveria existir um medicamento capaz de apagar definitivamente o que se passou... Quem se perdeu para sempre, mas como não existe... Precisa lutar, entendendo que há um que pode consolar a alma afogada em angústia... Precisa estabelecer uma guerra interior a fim de sair deste poço escuro, úmido e frio... Muito frio...

Ela é cruel, fria... A morte é assim, mas precisa saber que, não é o fim... Apenas o começo de uma nova história que se escreve com fé, amor e saudades.

Mat. 22: 31 e 32

Uma homenagem aos parentes das vítimas do vôo 3054 da TAM

_____________________________________________________________________________________________
COMENTÁRIO DO LEITOR

2 Comments:

At Sexta-feira, 03 Agosto, 2007, elaine said…
Mais um texto Excelente e Brilhante do meu grande amigo Jailson.Tocou muito ao meu coração, um texto que tenho certeza que partiu do coração de Deus para o coração de Jailson.Simplesmente MARAVILHOSO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

...................................................................................................................................................................

At Sexta-feira, 03 Agosto, 2007, roberto said…
Realmente , é muito confuso , parar e pensar como pode ser tão rápido , sem aviso e friamente e o pior de tudo tão doloroso , toda vez que penso neste acidente me coloco dentro daquele avião na hora da batida para tentar imaginar se possível qual seriam os pensamentos daquelas pessoas que ali estavam , inocentemente sendo ceifadas sem ter o que fazer para se defender ... é muito triste ,,, muito bem colocado Jailson .Beto

SÃO APENAS COISAS


por Jailson Freire

Conversávamos sobre o PAN, eu e minha filha, e ela, eufórica com o que havia se passado, me conta detalhes de um evento que para tantos, o evento do século para a nossa cidade. Para outros tantos, apenas mais uma forma de distrair a consciência de um povo mergulhado em violência miséria e desgraça.

Ela me conta que todos em sua escola haviam sido liberados para ver passar em nossa cidade, uma “comitiva” conduzindo um dispositivo alimentado com um combustível em plena combustão que era na verdade, carregado por um dos “deuses” designado para a realização do milagre do anestesiamento coletivo.

Como todos, ela resolve ir ver o tal dispositivo milagroso e como tantos outros, sente uma ponta decepção, pois depois de tanto esforço a fim de ver a coisa, sentiu que foi um tempo que perdeu inutilmente, para ver algo inútil, conduzido por “deuses” que foram incapazes de trazer satisfação à sua alma.

Pai, que coisa mais ridícula – Disse ela com um olhar decepcionado.

Penso que nosso povo está com muita cede. Muita cede de algo que possa fazer a sua alma transcender. Uma busca incessante da sua interioridade, uma caçada sem trégua ao que realmente faça valer a pena viver por aqui.

Uma busca desenfreada ao conhecimento do seu próprio espírito. Mas ao contrário do que possa parecer, nada, coisa alguma pode levar o ser humano ao conhecimento pleno de sua existe se não aquele que por sua palavra o fez existir.

Enquanto isto, no planeta terra, vamos brincar de viver enquanto tivermos com que nos divertir.

Lá lá lá lá lá la....

- Esse brinquedo é meu!
- Não! É meu!!
- Então toma... (pá pá pá)

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

PRESSIONADO AO EXTREMO...


por J. Freire
texto postado em 02.07.2007

Fui treinado a achar que, um vacilo e pronto... A coisa todo se perderia para sempre. Foi com essa idéia que sobrevivia espiritualmente um dia de cada vez.

Saber que o erro era imperdoável era algo apavorante. Saber que o lago de fogo havia sido preparado pelo Soberano exclusivamente para mim, para o malígno e para a sua galera era algo que me causava arrepios...

O coisa ruim estaria apenas de carona, mas o objetivo era que eu pagasse pelos meus pecados e não propriamente ele por sua rebeldia...

Não! Não toque nisso! Não fale assim! Não diga isto, nem respire... Já se sentiu assim?

Tudo era motivo para que fosse dado apenas um empurrãozinho para que você fosse precipitado ao abismo eterno, e pior, por seus próprios irmãos.

Você não vale nada! Você é complicado... Quem gostaria de um cara como você? Quantas vezes você já pecou hoje? Cinco? Dez? Não disse!? Ainda acha que tem jeito pra você? Desista rapaz!

Por mais que você tente nunca vai conseguir ser um cara legal... Todos falam mal de você... Todos desejam vê-lo pelas costas... Você é muito problemático... Devia pagar só pelo fato de viver...

Amor? Que isso cara?... Esqueça essa palavra... Nunca ninguém vai amar um cara como você...

Espere! Tenho uma idéia: Você vai gostar... Posso resolver o seu problema de relacionamento... Posso resolver a questão dos seus pecados mais ocultos.Aqueles que você mais estima...

Basta que você venha pra mim e pronto, acabo com você e seus “problemas”. (*)

Um amigo me disse certa vez:

"Entenda o que Ele disse: “Eu fiz a ferida e a ligarei ...", o difícil é entendermos e aceitarmos tudo isso, sem nos confrontarmos com nós mesmo, chamo isso de “A Síndrome de Jô”. Só mesmo uma experiência transcendental pode curar-nos dessa enfermidade na alma".

Sendo assim, quando ouvir este tipo de proposta, lembra-se: Você é importante para Deus e não há nada que possa comparar-se com o privilégio de ser Filho de Deus!


"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;" (João 1 : 12)

UM OLHAR PANORÂMICO


Jailson Freire
texto postado em 27.06.2007

Olhar de cima foi o desejo que tive para compreender o tamanho da insiginificância que somos diante da grandeza de um Deus que ainda assim se importa com a gente.

Precisava saber através de um olhar mais panorâmico, até que encontrei na rede, um site que me proporcionou a visão que eu almejava ver.

Incrível como somos pequenos!... Incrível como mesmo assim nos achamos grandes! Incrível como pessoas, gente, seres tão pequenos e insiginificantes podem conter tanta arrogância dentro de si a ponto de negar a existência de seu criador que com apenas um sopro destroi tudo que construiu em questão de milionésimo de segundos... Ufa!

Depois de longos momentos de navegação por este site, vi que estamos vivos por mero favor desse Deus que nos criou. Que Toda guerra, não passa de briguinhas infantis e idiotas contra pessoas que são exatamente iguais a nós, com os mesmos defeitos que temos.

Foi uma viajem alucinante o que minha imaginação fez ao me deparar com tantas imagens belas e exóticas. Curiosidades... Coisa que nunca havia se quer imaginado que existia, mas que para Deus, são muito pequenas.

Como pode um lugar assim, tão belo aqui de cima, conter tanta dor, tanta amargura, tanto sofrimento? Tanta covardia, loucuras... Tantos "governozinhos" achando-se "donos" de tamanha grandeza!

Muita coisa passa por nossa cabeça ao olhar o nosso planeta tão de cima.

Busquei tentar entender o porque de Deus se importar conosco. Com nossas vidinhas medíocres, Com nossas vaidades, com nossas “razões”.

Imaginei se por cinco segundos eu pudesse tomar o lugar de Deus, (Que Deus me perdoe esta heresia!) e tentei imaginar o que faria em cinco segundos com todas aquelas criaturinhas que se acham deuses de si mesmas... Que nem mesmo teve competência para cuidar do que fora criado para o seu próprio bem.

Foi então, que me veio à memória o texto que está no livro de Jô: “Sabes tu as ordenanças dos céus, ou podes estabelecer o domínio deles sobre a terra? Jó 38:33.

Entendi, então, que o verdadeiro valor que temos pra Deus está dentro de nós.


"Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem." (Salmos 139 : 14)

AH SE JÓ TIVESSE AMIGOS COMO ESSES!



JailsonFreire
texto postado em 02.04.2007



Uma cena pitoresca estava para acontecer. Uma multidão poderia ser um obstáculo quando se quer realmente algo importante? Que sacrifício estaria aqueles amigos dispostos a fazer para que seu amigo pudesse voltar a andar.

Era a chance... Era o tudo ou nada... Quantos planos estariam sendo planejados pelos seus amigos para depois do milagre? Uma pescaria... Uma reunião em torno de uma mesa para comerem juntos? Eram tantos os planos...

Mas... Entre planejar e curtir, existia um obstáculo desanimador:

Tudo se passa quando ouvem dizer que um homem de Nazaré estaria na casa. Até aí tudo bem... Bastava correr e chegar o quanto antes possível para conseguir o melhor lugar. O mais próximo possível. E torcer bastante para que ele pudesse ter tempo ou possibilidades de dizer a palavra “mágica”: “Fique curado deste teu mau!”. Como eles desejavam ouvir isto...

Acontece que era tanta gente que estava praticamente impossível chegar perto do Nazareno... Eles indagam em seus corações se talvez não fosse melhor tentar uma outra oportunidade...

Mas não se deixando abater pela situação, decidiram juntos planejar algo inusitado. “Tinha quer ser agora ou talvez nunca mais!”.

O plano era subir até o telhado com seu amigo paralítico, cama e tudo o mais. Descer o cara bem devagar através do telhado e observar o momento em que o Nazareno fizer o tão esperado milagre.

“Vocês devem estar loucos!” – Foi a reação do seu amigo aleijado... Ou talvez, “Faz isso não gente! E seu eu cair?...” – Ou então... “Bom... Não tenho mesmo nada à perder... Vamos nessa!" – Ou quem sabe... “Pessoal, eu tenho outra escolha?"

O fato é que seus amigos decidiram por ele.

Subiram no telhado com muita dificuldade e destelharam uma área suficiente para que a cama pudesse descer carregando o seu amigo...

Posso imaginar o quanto foi difícil... Posso imaginar o preço pago por seus amigos... Posso imaginar o valor de tão grande amizade e sacrifício.

Mas não posso mensurar o tamanho da fé dos amigos do aleijado. Você pode?

A pescaria foi marcada.

"E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, descobriram o telhado onde estava, e, fazendo um buraco, baixaram o leito em que jazia o paralítico." (Marcos 2 : 4)

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
COMENTÁRIO DO LEITOR

At Sexta-feira, 06 Julho, 2007, Renato said…
Mano, é isso que quero me tornar, "amigo do aleijado", um amigo que não meça as consequênciaspara ajudar o outro. continue assim, e que o Senhor nos mostre Suas verdades através de seus textos. abraços!

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

OUSANDO CONHECER A DEUS


Jailson Freire
texto postado em 13.03.2007


Uma cena única na história da humanidade. Um fato acontecido realisticamente. Algo surpreendente... O fato é que queiramos ou não acreditar, aconteceu.

Um representante único da raça humana pode contemplar... Admirar... Se deliciar com a visão impar e sem nada com que pudesse se comparar.

Um monte, um desejo ardente no coração de conhece-lo, uma atitude... Que ousadia! Que intimidade...Pediu e levou... Ousou e obteve... Não hesitou e conquistou o que queria... “Venha Moisés e te porei na fenda daquela rocha... Você vai me ver pelas costas depois de Eu haver passado...”

Que experiência vivida! Que maravilha! O que se poderia querer mais da vida depois de ter visto o criador da vida.

Um homem como qualquer um de nós que ousou conhecer ao Senhor e conheceu. Com ele o tratamento era diferente. Com Moisés, Deus falava como se fala com um amigo. Com Moisés o assunto era mais íntimo, com ele não havia segredos.

Uma intimidade com o criador levou Moisés a ousar ver, ainda que pelas costas o Deus poderoso. O criador de todas as coisas.

ÊXODO 33:22 e 23

UM AMOR ABSOLUTO


Jailson Freire

texto postado em 26.02.2007


Não precisa muita imaginação para “enxergar” com os olhos da fé o momento em que o nosso Salvador nos contou a história de amor mais linda que a humanidade já pode ouvir.

Tente visualizar comigo o momento em que um dos lados do nosso Mestre fora transpassado. Tente enxergar uma coroa de espinhos sendo colocada na cabeça do nosso Rei. Tente olhar um prego de cada vez transpassando as suas mão e pés. Não deixe de dá uma olhadinha mais de perto... Chegue mais próximo agora da cruz e veja... É Ele mesmo! O bendito de Deus... O prometido... Veja o sangue! Ouça o que ele diz, ouça:

“Está consumado!"

Pode agora imaginar a dor? Pode perceber a humilhação que alguns estúpidos estão fazendo ao tirar sorte com suas vestes? Sabe o porque de tudo isto? Por amor... Sublime amor...


Um amor incomparável, imensurável... Um amor que nunca poderemos medir. Não há nada que possamos fazer para aumentar ou diminuir o amor que Deus sente por nós. Seu bendito amor é absoluto!

Ele está sempre pronto a nos redimir e ao olhar para nós, enxerga o sangue do seu filho salpicado em nossas almas. Isto é garantia de vida! Isto é garantia de uma eternidade nos braços do nosso Pai.

A tristeza e angústia que sentimos quando cometemos algo que desagrada ao nosso pai é um sinal indelével de que você é importante para Ele. Você é precioso.


Ele nos conhece bem melhor do que nós mesmos e sabe que não pode nos abandonar, pois o seu abandono seria uma sentença de morte, e morte eterna para nós que somos filhos do seu amor.

Faça o que João recomenda em seu livro. Confesse a ele, “... pois é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça...” (I João 1 : 9)

Conte a ele as suas misérias e pecados e creia em seu bendito perdão.Não Curta a culpa. Não se lamente depois de já haver confessado. Não fique querendo a re-redenção, pois isto não existe. Creia! Você está limpo pelo sangue de Jesus!

Agora vá e não peques mais.



"Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado." (João 15 : 3)

O SILÊNCIO QUE DESEJAMOS


Jailson Freire

texto postado em 14.02.2007

Os dias se passam e cada dia um mal diferente acontece. Claro que o bem também acontece, mas não com tanta freqüência com que somos cercados pelo mal.

Há algo que sempre nos fugirá ao controle. Há algo que nunca poderemos prever. Um evento. Um acontecimento. Um infortúnio. Um caos. Um encontro. Um ponto final.

Ponto final? Uma vírgula seria mais adequada.

Faz parte da vida humana. O mundo gira e a vida precisa girar. A vida gira e cedo ou tarde ela vai chegar e sem pedir licença causará tristeza e dor aos que ficam.

Uma despedida. Um a Deus... Ou um até logo?

Como superar? Como passar por ela?

Confiança! Confiança no que o Nazareno nos ensinou quando se hospedou aqui neste planeta. Confiança de que vai ter a “volta”. Vai ter o reencontro. Vai ter a ressurreição!

A saudade será coisa do passado. O sorriso será presente. A angústia dará lugar ao descanso. O choro, ao sorriso. A dor dará lugar a uma deliciosa gargalhada. Mas não a que costumamos dá aqui. Algo mais sublime, mais divino.

E o abraço? O mais delicioso que já se deu! O correr na grama verdinha do “jardim” e molhada com o orvalho. O repousar nos braços do Pai.

O silêncio que representará a paz que tanto almejamos por aqui.

Beber o tempo todo da fonte de águas da vida eterna, tão puras que só poderia fluir da fonte do que está assentado no meio do jardim.

Veremos os nossos queridos que “viajaram” antes de nós e seremos recebidos com alegria imensurável. Seremos levados por ele ou por ela, para um passeio nos jardins...

- "Aquela rua é de ouro puro". "Aquela casa é daquele que pregava a respeito deste lugar para os pobres"... Diria o nosso guia querido.

Sentiremos aquela brisa fresca em nossos rostos glorificados.

Como é bom sonhar... Farei isto mais vezes.

Enquanto esperamos este dia, tenho que ganhar a vida.

Fui..

A CASA DO ENCONTRO


Jailson Freire
texto postado em 03.02.2007

Um dia de sol... Muito calor... Muita gente indo e vindo... Comprando, vendendo, falando, negociando, telefonando, marcando ou desmarcando encontro, chorando...

Uma semana difícil, seis dias para esquecer ou para lembrar... Uma perda... Poucos ganhos... Uma discussão idiota... Com razão, sem razão... Sem motivos, motivados...

Um vai outro vem... Um desencontro proposital... Um tipo de angústia... Por que falar? Por quê não calar... Pra quê amar? Por quê não amar? Pra quê perdoar? Por quê não perdoar?

Um dia após outro... Muita coisa acontecendo, muita coisa acontecida, uma boa notícia entre tantas más notícias... Insipiente!... Não deu nem pra curtir... Talvez outra hora... Mas pode ser tarde.

Precisa-se comprar... Tem que vender... Acabaram os recursos, ainda tem mais um dia... A espera... O milagre que não vem... O milagre acontecido e esquecido...

Não acontece nada de novo... Mas ainda resta... É só um pouquinho... Mas é só de um pouquinho que precisa... Ele disse... Ele falou... O monte seria movido... A mostarda... O menor grão...... Não podem ser esquecidos!

E o caso pendente? Faltam algumas horas... Madrugada... Um sono inexistente numa noite medonha...

Virar para um lado, virar para o outro... “Não andeis..." . Passam os minutos! Passam as horas!

Amanheceu... Um banho... A melhor roupa... O melhor perfume... A Casa do Encontro...

A confissão, o perdão... O choro... A emoção... A paz... A resposta...

O descanso em Deus para mais uma semana que vai começar.

(Salmos 122 : 1)

CHUTA A BOLA MANÉ!


Jailson Freire

texto postado em 29.01.2007

Nem sempre a bola fica o tempo todo em jogo.

Nem sempre o gol que parece claro e certo, altera o placar.

Nem sempre o juiz dá a vantagem para o time que se acha merecedor da vantagem.

Nem sempre a torcida vibra com aquele lance maneiro e sensacional, pelo menos pra você.

Nem sempre a bola fica cheia, mas a infeliz murcha exatamente no primeiro chute.

Nem sempre o ângulo é o mais legal para aquela jogada que foi ensaiada umas cinco mil, quinhentos e noventa e nove vezes.

Nem sempre o campeonato chega ao fim para alguns que ao sentir uma forte dor no peito se vê obrigado a pendurar a chuteira e “abotoar o paletó”.

Nem sempre os músculos do atleta lhes obedecem, ao contrário, derruba o atleta ao chão sem dó nem piedade.

Nem sempre o clima ajuda aos que estão em campo, pois hora chove, hora faz sol e calor.

Nem sempre a senhora mãe do juiz é elogiada por ter colocado no mundo o dito cujo.

Nem sempre a partida começa na hora programada, devido a algum problema operacional ou intestinal do juiz.

Nem sempre se joga como titular, pois outro se saiu melhor no treino (fazer o que?).

Nem sempre a grama não está escorregadia no dia da decisão do campeonato.

Nem sempre o cachê foi suficiente pra tirar a família do sufoco e daquele barraco que só está em pé por um milagre.

Nem sempre dá pra defender aquela bolada que vem furiosamente na direção do nosso gol.

Nem sempre o calo do pé direito, na ponta esquerda do dedão, deixa o atleta correr o suficiente para matar a jogada antes do adversário.

Nem sempre dá pra fugir da cruz e dos problemas...

Como dizia alguém: “Já que o jogo é necessário, pare de se lamentar e chuta a bola Mané!”.

(Salmos 34 : 19)

A VITRINE DA ALMA


Jailson Freire
texto postado em 22.01.2007

Uma inconveniente que jamais deixará de ser uma inconveniente. Vem quando não é para vir e deixa de vir quando deveria representar o que foi destinada a representar.

Sua forma; límpida, mas nem sempre o que provocou a sua vinda é límpido, pelo contrário, quase sempre é tão turvo quanto águas de rios urbanos.

Às vezes fala mais do que mil palavras e faz calar outras milhares. Não se incomoda em borrar a “maquiagem” e nem de estragar a “máscara” que esconde uma realidade.

Não se importa se alguém terá a sua alma exposta ou se esconderá por simulação uma realidade qualquer.

Carrega em si todos os tipos de sentimentos e mensagens ocultas, mas pode também ser um indício de que uma alma acaba de passar por uma faxina.

Indica em si mesma um momento de paixão humana ou um amor divino e pode convencer uma outra fonte a jorrar por indução.

Às vezes, a sua falta é forte indício de que a alma em questão se transformou em terreno árido e incapaz de produzir frutos.

Sua falta, também pode representar almas congeladas e que por isso necessita de uma fonte forte de calor.

O que nunca vai deixar de ser fato é que congelada ou ausente, ela sempre estará por perto, esperando o momento de regar os pés do nosso Senhor. Esperando o momento de ser lágrima.

(Lucas 7 : 38)

UM MENSAGEIRO INCOMUM


Jailson Freire

texto postado em 16.01.2007

Uma cena comum? Talvez para os que passavam por ali, mas com certeza, para mim, foi muito mais que um fato corriqueiro e normal para uma cidade deste país.

Eu não conseguia dá atenção a outra coisa que se passava à minha volta depois que meus olhos focaram a cena.

Na verdade, eu estava ali esperando um ônibus. Um dia incomum... Um domingo a tarde... Um dia excepcionamente fresco para um dia de verão. Um dia nublado... Um dia como outro qualquer... Um dia de vida a mais na existência de todos quantos vivos estamos.

Uma lição a ser aprendida. Um segredo sendo contato por Deus aos meus ouvidos e bem baixinho... Tão baixinho que quase não escuto. Mas escutei e não conseguira guardar este segredo... Preciso te contar...

Quem nunca viu um cão deitado em uma calçada qualquer dormindo em meio a um barulho ensurdecedor do trânsito? Quem já deu um pouco de atenção a este tipo de cena?

Era um cão de raça... (Da raça vira-latas) Que estava deitado na calçada do ponto de ônibus onde eu esperava o que me levaria de volta pra casa.

Não havia percebido a presença daquele cão ali no momento em que eu cheguei ao ponto, mas eu não parava de prestar a atenção a dois rapazes que conversavam a respeito do que acontecera no trabalho de um deles. – Quanta confusão meu Deus! - Até que o ônibus que os rapazes iam pegar chegou e eles partiram.

Só aí percebi que desde antes de eu chegar, o mensageiro (o cão) já estava ali a algum tempo... Muito antes de eu chegar.

O Cão dormia como quem dorme nos braços do pai. Ele não estava nem aí pra o que estava à sua volta. Apenas dormia.

Quanto a mim, não conseguia mais prestar a atenção em mais nada. Fiquei por vários minutos olhando o focinho daquele animal em sono profundo... Dormia sem se importar com o barulho dos carros e nem mesmo se algum outro animal semelhante a ele e mais forte pudesse chegar de surpresa e ataca-lo. Ele estava de fato descansando.

Não parecia preocupado com contas pra pagar e nem com os investimentos na bolsa de valores. Não estava nem aí com o IPTU, IPVA, ICMS, IR e tudo o mais... Apenas descansava e dormia tranqüilamente...

Depois de eu ter “viajado na maionese” olhando o descanso daquele cão, me lembrei das palavras do nosso Senhor quando disse: “E até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais pois; mais valeis vós do que muitos cachorrinhos.” (Lucas 12 : 7)

Claro que o Senhor falou passarinhos, mas hoje entendi cachorrinhos...


--------------------------------------------------------------------------------------------
COMENTÁRIO DO LEITOR

At Terça-feira, 16 Janeiro, 2007, eraidespacheco said…
Jailson...oi...:)Deixo aqui o meu agradecimento a Deus pela sua vida, a qual tem sido um instrumento nas mãos do SenhorSeja abençoado em o nome de Jesus


At Quarta-feira, 17 Janeiro, 2007, renatovargens said…
Excelente crônica! Parabéns.


--------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 18 de setembro de 2007

AUSÊNCIA


Jailson Freire
texto postado em 01.01.2007

Uma sensação estranha.
Um momento esquisito.
Uma espécie de vazio.
Uma aparência de escuridão.
Um nada.Sem “por quês”.
Sem respostas.Sem perguntas.
Sem problemas... Sem solução.
Sem flores. Sem jardins. Sem jardineiros.
Sem problemas. Sem resoluções.
Sem embaraços. Sem com que desembaraçar.
Sem fome. Sem alimentos.
Sem sede. Sem água.
Sem palavras. Sem ter com quem falar.
Sem amigos. Sem inimigos.
Sem silêncio. Sem música.
Sem gosto. Sem ter de quem gostar.
Sem amanhã. Sem hoje pra esperar.
Sem aromas. Sem odores.
Sem dívidas. Sem ter com que pagar.
Sem esperança. Sem ter o que esperar.
Sem saudades. Sem ter de quem lembrar.
Sem dor. Sem se machucar.
Sem angústia. Sem ter que se preocupar.
Sem andar. Sem ter pra onde ir.
Sem sentimento. Sem ter a quem amar.
Sem graça. Sem ter do que sorrir.
Sem carinho. Sem ter quem abraçar.
Sem JESUS...
Sem vida!

UM SONHO PERTUBADOR

por J. Freire
texto postado em 16.12.2006

Não consegui dormir a noite toda por causa deste de Nazaré, mas como poderia eu falar para o Pôncio a respeito deste terrível pesadelo?

Era mesmo um presságio... Agora eu entendo... Não foi um sonho comum, mas um terrível pesadelo.

O Nazareno é justo e não merece a condenação, mas... Meu Deus! Como podem fazer uma coisa dessas? Como podem acusá-lo de sedição? Essa gente enlouqueceu! Desde quando alguém tão bondoso pode ser acusado de sublevação contra a autoridade romana?

E meu marido está caindo feito um patinho nas loucuras dessa gente... Agora não há muito o que fazer... Estou terrivelmente assustada e meu coração parece querer sair pela boca. É um momento muito crítico... Muito difícil...

Quem sabe se eu gritasse? Quem sabe se eu falasse a respeito do sonho com meu marido? Será que ele vai me ouvir? Ah meu Deus!

Se eu fizer isso, a louca serei eu... Não... Não posso... Não consigo... Não conseguiria...

Se eu tivesse avisado ao Pôncio a respeito do sonho mais cedo... Quem sabe? Talvez evitasse tamanha loucura?

Vou pedir ao Centurião pra falar com Pôncio...

“Procurador Pôncio!... Procurador Pôncio!... Sua mulher pediu para dizer-lhe que não entres na questão desse justo, porque num sonho muito ela sofreu por causa dele.”

É... Ele não me ouviu...

Mat. 27:19

AGORA VAMOS. VOCÊ ESTÁ LIVRE!

por J. Freire
texto postado em 08.12.2006

Quem? Eu? Livre? Como assim? Deve estar havendo um engano... Que dia é hoje?... Sexta-feira? Mas... E a condenação? Não é hoje o dia da minha execução? Não vou mais pagar pelo erro de ter matado alguém no motim? Não tenho mais que pagar por minha dívida com Roma?

Desculpem-me, mas não está havendo algum engano? Vocês estão certos de que não tenho mais que ser crucificado? O que fiz para merecer a liberdade? Não entendo? Até ainda pouco eu estava certo de que meu destino seria a morte na cruz e agora vocês me dizem que estou livre...

Acho que estão brincando comigo... Não brinquem assim comigo...

Sou culpado. Sei que tenho que conviver com a culpa e para mim, a morte é justa. Mas... agora vocês me dizem que estou livre mesmo depois de ter sido condenado! Não entendo...

Vocês me oferecem uma segunda chance, mas alguém vai morrer em meu lugar? Claro... Só pode ser isso! Alguém vai pagar por mim o que eu deveria pagar... Mas quem poderia? Um soldado? Algum amigo? Um parente? Quem? Quem vai pagar por minha sentença de morte?

“O Nazareno Barrabás... Agora vamos idiota! Você está livre!”

Mat. 27:16

DE VOLTA PRA CASA, DE VOLTA PRA DEUS!

por J. Freire
texto postado em 04.12.2006


Desejei estar longe daquele lugar até ouvir dele o que acabei de ouvir... Desejei nunca ter feito nada para merecer tamanha humilhação e dor, mas agora é tarde de mais. Estamos aqui porque merecemos... Estamos pendurados neste madeiro porque fizemos por merecer.

Ele não. Ele não fez nada pra merecer estar aqui ao meu lado... Muito pelo contrário, segundo ouvi dizer, ele fez muita gente ter suas vidas transformadas de maneira sobrenatural. Não... Não quero entender o porque dele estar sofrendo sem merecer ao lado de gente como eu e o outro. Apenas acredito que ele é o que havia de vir, ao contrário do sujeito aí do lado. Tive que repreende-lo... Fizemos por merecer o castigo e ainda se acha no direito de exigir justiça!

Puxa! (cara de dor e uma pequena pausa) ...Está doendo muito... Na verdade, não sei qual dor é a maior e a pior... A humilhação... O arrependimento também dói...

A demora em partir definitivamente me atormenta... Meus músculos parecem me odiar... Minhas mãos sangram muito... Meus pés... É pouco castigo para o que fizemos.

Quanto a ele... Quanta covardia... Ele não fez nada de errado. Um homem bom, morrendo do mesmo jeito que eu? Inconcebível! Há um plano, com certeza, e tomara Deus eu possa ser incluído.

Vou tomar fôlego e coragem... Vou pedir algo muito importante pra mim... Um único pedido, uma única resposta que me trará paz única: “Filho de Deus! Lembra-se de mim quando chegar ao paraíso”.

Uma garantia, uma resposta...A liberdade, a paz... Uma promessa e por mim tudo pode acabar agora!

O fato é que depois de ter acabado de ter ouvido o que ouvi através de sua doce voz, posso “morrer” em paz agora. Vou pra um lindo lugar... Sei que vou...Ele me garantiu... Vou com ele de volta pra casa... De volta para o Pai... Vou com Ele de volta pra Deus!


_________________________________________________________________________________________

COMENTÁRIO DOS LEITORES

At Sábado, 09 Dezembro, 2006, Juninho Freire said…
Que lindo! Lindo lindo mesmo!É realmente de tirar o fôlego...Que Deus lhe abençoe sempre mais.Vlw!


At Sábado, 16 Dezembro, 2006, PRA NILDA HELENA said…
GRAÇA E PAZ IRMAO!!SUAS CRONICAS SAO LINDAS E EMOCIONANTES. PARABENS!!Q O SENHOR CONTINUE TRAZENDO ESSA SENSIBILIDADE DE EXPRESSAO MAIS FORTEMENTE DIA APOS DIA EM SEU CORAÇAO... SHALOM

PRA NILDA HELENA-BH,MG(COMUNIDADE BATISTA MISSAO DA FE)www.missaodafe.comwww.ajudart.xpg.com.br

At Sábado, 16 Dezembro, 2006, Anónimo said…
parabens irmao!!lindo e emocionante.q o senhor continue te dando sensibilidade para expressar essas coisas maravilhosas, q so podem ser do coracao do pai. abraçopra nilda helena


__________________________________________________________________________________

DUAS CABEÇAS, DOIS SENTENCIADOS

por J.Freire

texto postado em 25.11.2006

Observar aqueles dois orando foi impressionante, pois deu pra ter uma idéia de como duas cabeças pensam de forma diferente. Já dizia alguém: Duas cabeças, duas sentenças.

Bom, mas nesse caso são duas cabeças e dois sentenciados...

Um, Cheio de si mesmo... Com um peito estufado... Quase explodindo de tanto orgulho... Sentindo-se "O Cara"... E de fato parecia ser mesmo ”o Cara", o cara-de-pau...

Se achando dono do próprio nariz, chega na "cara dura" na presença de um Deus todo poderoso e começa a dizer o quanto ele é bonzinho, o bam-bam-bam... Cheio de méritos e coisa e tal... (Sujeitinho idiota esse)

Não sabia nem mesmo o porque estava ali, apenas estava... A final, tantos imbecis semelhantes a ele faziam aquilo, porque não fazer também?

Foi sentenciado a voltar para casa com a mochila mais pesada do que levou para o templo... Mais sujo do que nunca. Mais lambuzado do que pés que andaram descalços em dias de chuvas.

Bastava refazer sinceramente a "historinha" que contou para o grande "Eu Sou" e pronto. Descia lavado, perdoado, e feliz... Mas fez a opção incorreta e cheia de justificativas inócuas...

O outro, não sabia aonde colocar a cara tamanha a vergonha que sentia pelo que fizera num passado perigosamente próximo... Ou talvez distante... Quem sabe?

O peso de sua mochila era tanto que até para chegar ao topo foi difícil... Muito choro... Muita angústia... Como doia sentir aquilo... Que sentimento horroroso! Era a chance de se livrar do peso e não a desperdiçou... Bateu no peito, chorou, humilhou-se e pediu perdão...

Foi sentenciado a descer com alegria e nem percebeu que havia se esquecido da mochila pesada lá em cima...

Legal isso, não acham?

(Lc 18.9-14)

QUE FALTA DE IMAGINAÇÃO...

por J. Freire

texto postado em 21.11.2006

Se eu não ver com meus próprios olhos o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma vou acreditar neste negócio... Vocês só podem estar brincando comigo! É uma pegadinha? Dêem-me licença, mas tenho mais o que fazer agora!

Eu vi com meus olhos o que aconteceu! O nosso Senhor, a cruz, os cravos, a lança que o maldito soldado penetrou em um dos seus lados... Ou vocês querem dizer agora que tudo não passou de um sonho e que o nosso Senhor deu uma saidinha para espairecer?

Lamento, mas não quero mais me decepcionar outra vez... Não vou mais investir em outro lindo sonho que venha acabar em cruz novamente...

Os argumentos que Ele usou para nos convencer até foram extraordinários, mas vocês viram o que aconteceu... Vocês viram o que eu vi. Acabou amigos! Caiam na real! Ele está morto!

Tudo bem... Ele até disse que ia voltar depois de três dias, mas eu ainda não vi, e se não vi, não acredito! Até queria que fosse verdade... Desculpem... Esperem... Deixa-me enxugar os meus os meus olhos...

Como eu ia dizendo... Seria mesmo muito bom se fosse verdade... Se ele aparecesse aqui e eu pudesse ver os sinais dos cravos... Se ao menos eu pudesse tocar meus dedos no lugar em que os cravos estiveram...

Puxa! Como eu o amava! Como Ele era importante pra mim... Agora vocês me vêm com essa história de que ele está vivo... Fala sério...

Oito dias depos...

Senhor meu e Deus meu! - Esta foi a minha única reação ao ver o meu Senhor entrar aonde estávamos reunidos... Seria inacreditável se eu não tivesse visto... Era fato... Era real... Ele estava ali em minha frente. Ainda pegou a minha mão e a colocou no lugar aonde estiveram os cravos... Ele colocou a minha mão em seu lado...

O que me faltou mesmo foi imaginação...
Jo. 20:25

________________________________________________________________________________________

COMENTÁRIO DO LEITOR

At Quarta-feira, 22 Novembro, 2006, Rento vargens said…
Seus textos são ótimos. Na verdade, eles nos fazem adentrar as páginas da biblia, descortinando assim a maravilhosa graça de Deus. parabéns!


At Domingo, 26 Novembro, 2006, J.Júnior said…
Mais uma vez meu caro amigo, meus parabéns! Seus textos são realmente muito inspirados por Deus! Que Deus esteja contigo sempre!!!


_____________________________________________________________________________

O DESGRAÇADO ENCONTRA A GRAÇA

por J. Freire

texto postado em 03.11.2006

Nada podia ser mais importante do que um olhar... Um olhar era a diferença que faltava em sua vida “bandida”... Um olhar era a expectativa de uma nova vida, uma estrada nova a percorrer. Uma saída diferente das que estava acostumado a utilizar como escape para a sua alma cansada.

Já estava acostumado àquela vida estúpida de trapaças, mas ao contrário do que se pensava, ele não estava conformado com aquela miséria de vida. Algo o incomodava de mais... Algo ardia desesperadamente em seu coração... Uma espécie de fome e sede, uma angústia inexplicável... Não, ele não saberia explicar, mas precisava urgentemente de um olhar, mas não um olhar qualquer.

Era o tempo, a oportunidade, um sonho, uma estrada empoeirada, muita gente, uma árvore estratégica, uma estatura inconveniente... Tudo estava devidamente calculado, planejado em seus mínimos detalhes. Era agora subir e aguardar o momento exato de assistir de “camarote” o seu passado de desgraça esvair como neblina.

Tudo pronto! Lá vinha Ele... Ele mesmo, o esperado... O aguardado com tanta ansiedade... O Homem... O Nazareno... A multidão que certamente não o deixaria com que ele tivesse a visão privilegiada para alguém tão “pequeno”.

Seus olhos se encheram de lágrimas... Ele não acreditava que estava vendo quem mais queria ver antes de fechar eternamente os seus olhos. Era mesmo a única chance de ter o seu caráter transformado junto com um montão de outras coisas que tanto traziam sofrimento e angústia à sua alma cansada.

Mas o que menos esperava aconteceu: Uma ordem, um chamado para a cura, um chamado para fora da caverna, um presente incalculável... Um olhar...

O Nazareno chama, e ele, chefe dos publicanos e rico a custa do povo, um cobrador de impostos “mau caráter”, O mal visto, o odiado pela sociedade... O corrupto... O desgraçado encontra a graça.

Não tinha volta... Agora só restou a Zaqueu o arrependimento e sair da caverna existencial onde ele pode respirar vida nova.

(S. Lucas 19)
__________________________________________________________________________________________

COMENTÁRIO DE UM LEITOR

At Domingo, 12 Novembro, 2006, Jonadabe Junior said…
Muito legal essa história de Zaqueu!Gostei muito...Que Deus ilumine sua mente cada dia mais primo.Só Vitória!!!

___________________________________________________________________________________________

O NAZARENO SEMPRE SABIA O QUE DIZIA

por J.Freire

texto postado em 12.10.2006

Quanta coisa aconteceu de uma só vez na vida dele... Só agora ele entendeu o siguinificado da expressão “O meu mundo caiu”. Foi exatamente neste momento de angústia, que ele parou para cogitar onde foi que havia errado...

O que devia fazer que não fez? O que não devia ter feito, mas como um tolo, fez

“Como tudo pode ter acontecido?”. Perguntava ele...

Os seus gritos de “porquês” nunca seriam respondidos, pois no fundo, ele não queria ouvir as respostas.

Ele não havia imaginado, mas a sua ruína, havia apenas sido adiada junto com seus sofrimentos.

Era só uma questão de tempo. Era como esperar o tiro de misericórdia em quanto se divertia.

A fila andou e ele nem percebeu. Ele é a bola da vez agora, mas finge não acreditar que isto está acontecendo com ele.

Pronto! Ele está agora no lugar mais baixo. No lugar mais humilhante. Sem saída. Sem chance. Sem perspectiva, sem nada...

Os sentimentos? Quais? Os que ele está sentindo agora? Amargura... Medo... Desolação. Angústia... Sofrimento... Dor... Dúvidas... São muitas as dúvidas.

Um dia, ele havia lido num livro que, certo Davi, um que derrubou um gigante com uma pedra... Transformou-se em um rei e depois de um tempo cometeu um erro, um pecado... Pisou na bola... E isto, lhe custara muito caro...

Também teve um outro, que não cometeu erro nenhum, mas mesmo assim, também se sentiu amargurado e angustiado até a morte... Era de Nazaré... Uma cidadezinha de Israel situada na região norte, nas montanhas da Galiléia....

Ele, o Nazareno, precisava sentir o que todos os seres humanos sentiam, para mostrar que todos têm saída sim...

Precisava mostrar que, ponto final não existe... E isto ele soube demonstrar como ninguém... Vejam só: Nem a morte foi ponto final para este de Nazaré.

Ele sabe que tem coisa pior, mas... A dor que ele sente é muito grande!

Bom... De agora em diante só resta pra ele uma saída: Crer no que o Nazareno falou:

"Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo."

O MAIOR ERRO JURÍDICO DA HISTÓRIA ROMANA

CONDENARAM UM INOCENTE
Parte II
por J.Freire
texto postado em 28.09.2006



Oh meu Deus! Aquela história toda estava muito esquisita pra mim. Não via mesmo motivos para que o Nazareno fosse preso daquele jeito e agora, depois do que aconteceu no monte Caveira... Não... Definitivamente, não era para termos prendido o Nazareno!

Foi um momento muito triste vê-lo do jeito que vi...

Eu já havia trabalhado em muitas outras crucificação, mas desta vez havia sido completamente diferente das outras vezes...

Eu achava que havia feito uma tremenda bobagem ao levar aquele inocente à cruz, mas agora tenho absoluta certeza.

Você me daria razão se visse o que eu vi acontecer depois que o Nazareno exclamou ao Deus Dele... Ele dizia coisas do tipo “Entrego o meu Espírito” e logo em seguida o que se viu foi um grande terremoto.

Fiquei sabendo, que vários túmulos haviam se aberto, e os mortos saindo andando como se nada tivesse acontecido... O pessoal que estava assistindo aquela barbárie me pareceu está arrependido, e saindo batendo no peito, gritavam feito loucos... Foi um verdadeiro cáos por aqui...

Não havia mais como negar: O Nazareno era mesmo o que estávamos esperando. Era mesmo o Messias, era mesmo o filho de Deus!

Não... Minha vida não seria mais a mesma... E pensar que fui eu o responsável pela prisão do Nazareno...

Depois de tudo o que aconteceu, fiquei desnorteado e sem saber como fazer para reparar o que eu fiz...

Muitos dos meus soldados também ficaram impressionados. Artemes e Hélios*, decidiram não ficar com as coisas que pertenciam ao Nazareno aos quais lançaram sorte...

É... Eu também não ficaria. Você fiaria?

(*Artemes e Hélios nomes fictícios dos soldados que lançaram sorte sobre as vestes de Jesus)

QUEM FOI QUE DISSE?

por J. Freire.

Eu precisava forjar o teu caráter, e para isto, permiti que tudo acontecesse com você. Sei que você não está entendendo nada agora, mas vai entender. Lamento filho, mas era necessário. Não deixe que o mentiroso coloque coisas em sua cabeça. Não deixe criar raízes malignas em teu coraçãozinho. Estou por perto.

Quando você achar que não está suportando mais, venha e fale comigo em secreto... Vou enxugar o teu rosto com minha toalha e te dá da minha água até que o gongo toque novamente e você precise partir para o enfrentamento.

Não tenha medo, pois a vitória é líquida e certa, mas a luta necessária... Vai ter coisas lindas para contar aos teus irmãos depois que tudo terminar.

Quando vier a dúvida, e é certo que virá, lembre-se que estarei ao teu lado para que seja mais fácil você se livrar dela.

Quando você achar que está sozinho, e pensar que não vai suportar, ouça a minha voz te dizendo:

Quem foi que disse que eu não estava ao teu lado quando os recursos acabaram?

Quem foi que disse que eu não estava perto de você quando se sentiu angustiado e debilitado?

Quem foi que disse que eu te abandonei quando o teu melhor amigo o abandonou?

Quem foi que disse que mesmo quando você em sua infantil rebeldia cometia aqueles "pecadinhos", que para você não era nada de mais, mas que me entristecia profundamente e ainda sim, eu permaneci ao teu lado torcendo para que você me ouvisse?

Que foi que disse que nos momentos de maior turbulências eu havia ido tomar um cafezinho e te deixado só?

Quem foi que disse que no dia em que você se esqueceu de mim e quis resolver as “coisas” sozinho, eu te deixei?

Quem foi que disse que eu ia deixar você desistir de si mesmo e se entregar à destruição que o mentiroso estava propondo e teu coração?

Quem foi que disse que eu te deixaria só porque todos deram as costas pra você?

Quem foi que disse que eu não estava perto quando você sentiu o teu coração gelar diante dos acontecimentos?

Lembre-se! Sempre estarei ao teu lado, para lembrar a você que “Todas as coisas cooperam para o bem dos que me amam”.

O MAIOR ERRO JURÍDICO DA HISTÓRIA ROMANA

Parte I
Condenaram Um Inocente

por J. F.

texto postado em 9.09.2006

Levamos o Nazareno até os Sacerdotes e, confesso nunca ter visto tamanha demonstração de covardia e humilhação... Humilharam o Nazareno ao extremo... Faziam perguntas capciosas a fim de fazer com que Ele se atrapalhasse nas palavras, mas o que eu vi foi um homem com a inocência estampada na face, respondendo com naturalidade as perguntas idiotas que eram feitas pelos sacerdotes.

Depois do festival de idiotices e perguntas maldosas que fizeram ao Nazareno, resolveram levá-lo ao Presidente. Bom... Foi estranho aquilo tudo. Não entendo o porque de levá-lo ao Presidente... Acho que queriam era passar o problema adiante.

Nós estávamos ali para obedecer às ordens e foi o que fizemos... Levamos o Nazareno até o Presidente Pôncio e ao chegarmos no palácio o presidente parou em frente ao Nazareno e olhou o Homem de cima a baixo... Um certo olhar de desprezo...

Pensei comigo: “Que idiota este presidente...”.Ao mesmo tempo em que eu fazia o meu trabalho, alguma coisa me dizia que os "Caras" iam cometer um “erro” sem precedente na história romana... Estavam prestes a condenar um Homem inocente e eu fatalmente seria cumprisse desta coisa toda.

Não... Acho que não havia nada que eu pudesse fazer... Eu precisava obedecer às ordens, a final, eu tinha que levar o pão para a minha casa... O que me importa? Quem mandou o Nazareno se meter nesta confusão toda...

O presidente Pôncio, depois de passar alguns segundo analisando a aparência do Nazareno, começou a fazer algumas perguntas estúpidas e me impressionou a maneira com que o Nazareno respondia ao Presidente.

O presidente Pôncio, sabia no fundo, que o Nazareno era um homem inocente e acho que foi por isto que nos mandou levá-lo para Herodes Antipas, O governador que estava por aqui. Isto não foi bom para o Nazareno, já que Herodes só piorou as coisas para o Nazareno... O Cara desprezou o Nazareno e mandou o Homem de volta para o presidente.

Acho que o presidente Pôncio estava meu boiando na parada... Acho que ele não estava era acreditando que teria que condenar um inocente por causa da pressão que os sacerdotes e o povo estavam fazendo...

O clima estava ficando cada vez mais quente por aqui...

CONTINUA...


COMENTÁRIO

At Domingo, 10 Setembro, 2006, Júnior Freire said…
Estou bastante curioso p/ saber o final da história...Vlw!